aviso

ironicamente neste espaço público existe o mais sórdido, o mais íntimo e o mais verdadeiro de mim e tudo quanto foi extraído

frequentemente usei palavras que não entendo, imitei escritores e escritas: forçadamente rebuscado ou forçadamente não-rebuscado

nunca encontrei verdade, mas ainda assim fui real: escrevi com a vontade dura e inegável do caroço do abacate

17/03/2011

Os Carregadores de Mundo



Cada pessoa realmente carrega um mundo inteiro nas próprias costas.
Como se fosse uma longa fila para lugar algum, cada qual vai seguindo com o seu próprio mundo pesando nos ombros, naturalmente.

Assim como pequenos Atlas vão vivendo, sempre forçados a andar pra frente, chicoteados pelos labores terríveis do Tempo e as torturas do Tédio – inseparáveis e cruéis irmãos.

O que intriga é que estes pequenos grandes mundos são isentos de cor, como bolas de chumbo cinza e assim o são seus “donos”.    
Existem os corajosos que ousam descansar os ombros e, despreocupados com o Tempo e o Tédio, param para observar a paisagem e seus iguais. Brota então a Liberdade!

Eufóricos percebem milhares de cores e assim começam a colorir seus mundos com as tintas que encontram nos caminhos estreitos da Vida.

Assim enganam o Tempo e o Tédio.

Enganam a própria Morte; o trajeto final da fila.

Nenhum comentário:

Postar um comentário