aviso

ironicamente neste espaço público existe o mais sórdido, o mais íntimo e o mais verdadeiro de mim e tudo quanto foi extraído

frequentemente usei palavras que não entendo, imitei escritores e escritas: forçadamente rebuscado ou forçadamente não-rebuscado

nunca encontrei verdade, mas ainda assim fui real: escrevi com a vontade dura e inegável do caroço do abacate

06/11/2010

Texto Que Não Existe

Cabelos pretos, ela vem e senta em cima da minha mesa, sorrindo faceira; não me deixa escrever. Sou praticamente obrigado a largar a caneta e a folha, que voa para o chão, começo a rabiscar em sua pele com as tintas de um beijo e cada dedo vira um pincel dançando bêbado nas curvas desta fabulosa tela branca de olhos negros.
Rabisco em idiomas que não existem, com palavras que não devem ser e que nunca foram inventadas. Ela parece não se importar muito com a gravidade dos idiomas ou das palavras, pois continua com aquele sorriso meia lua e os olhos cerrados, como se imaginasse as histórias que conto no papel de seu corpo.

8 comentários:

  1. Certos idiomas são melhor compreendidos quando se mantém os olhos fechados! Parabéns! Está claro que você é um bom poliglota!

    ResponderExcluir
  2. Imaginar essas histórias são sempre legais!
    Bom, como sempre.

    ResponderExcluir
  3. Meu deus! Maravilhoso texto! *-* Eu fico simplesmente admirada demais pra proferir palavras que traduzam à altura a minha admiração...

    ResponderExcluir
  4. Sutilmente, ahh, sabe né rsrs Curti a delicadeza ! rsrs

    ResponderExcluir
  5. Concordo, sem muitas palavras para traduzir...
    Perfeito *-*

    ResponderExcluir
  6. The troublemaker never dies.

    ResponderExcluir
  7. Bem erótico. Como não curto essas coisas, detestei.

    ResponderExcluir