aviso

ironicamente neste espaço público existe o mais sórdido, o mais íntimo e o mais verdadeiro de mim e tudo quanto foi extraído

frequentemente usei palavras que não entendo, imitei escritores e escritas: forçadamente rebuscado ou forçadamente não-rebuscado

nunca encontrei verdade, mas ainda assim fui real: escrevi com a vontade dura e inegável do caroço do abacate

19/11/2010

Liberdade a Dois

 
Liberdade a dois é um estado de espíritos; namoro é contrato formal, chato, cheio das quebras.
Liberdade a dois é ter o direito de rir das próprias idiotices; é lamber a amargura que o outro lhe derrama e dar um sorriso sacana; é poder ser e deixar o outro ser sem medo; é se deliciar nos passos do outro, como uma dança: Apenas movimentos e sensações, sem ganhador nem perdedor.

Liberdade a dois é, sobretudo, olhar para o outro como se ele fosse sempre uma libertação e nunca uma prisão voluntária. Vemos tantos relacionamentos baseados na lei do controle, na lei de quem poda mais o outro, de quem se acorrenta mais.

Liberdade a dois é como se fossemos estradas infinitas que se cruzam bem no ponto do amor. Estradas que podem se distanciar o quanto quiserem, mas sempre vão ser uma só encruzilhada.