aviso

ironicamente neste espaço público existe o mais sórdido, o mais íntimo e o mais verdadeiro de mim e tudo quanto foi extraído

frequentemente usei palavras que não entendo, imitei escritores e escritas: forçadamente rebuscado ou forçadamente não-rebuscado

nunca encontrei verdade, mas ainda assim fui real: escrevi com a vontade dura e inegável do caroço do abacate

19/11/2010

Liberdade a Dois

 
Liberdade a dois é um estado de espíritos; namoro é contrato formal, chato, cheio das quebras.
Liberdade a dois é ter o direito de rir das próprias idiotices; é lamber a amargura que o outro lhe derrama e dar um sorriso sacana; é poder ser e deixar o outro ser sem medo; é se deliciar nos passos do outro, como uma dança: Apenas movimentos e sensações, sem ganhador nem perdedor.

Liberdade a dois é, sobretudo, olhar para o outro como se ele fosse sempre uma libertação e nunca uma prisão voluntária. Vemos tantos relacionamentos baseados na lei do controle, na lei de quem poda mais o outro, de quem se acorrenta mais.

Liberdade a dois é como se fossemos estradas infinitas que se cruzam bem no ponto do amor. Estradas que podem se distanciar o quanto quiserem, mas sempre vão ser uma só encruzilhada.

11 comentários:

  1. Sempre quis, mas...Será que pode ser real ??rsrs...

    ResponderExcluir
  2. Olha, tenho certeza que pode. Haha
    Mas é esforço das duas partes; O orgulho, a vaidade e outros sentimentos baixos tem que cair por terra para dar espaço a algo assim, tão livre!

    ResponderExcluir
  3. É amigo, gostei muito e confesso que sou um que busca essa liberdade. Garanto que quando a encontrar serei ainda mais feliz.
    Abraços

    ResponderExcluir
  4. é tão raro ter a curiosidade de saber quem é o tal Felipe, dono de um sorriso encantador que prendeu a atenção dela no instante que o viu; e dessa curiosidade ler um escrito que caiu como uma luva pra ela...

    uau.

    um beijo.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Encarei mal essa, Felipe, por muitos motivos, mas não por discordar de você!

    Talvez porque, aos 44 anos, vividos parte deles sob a rigidez de paradigmas "imutáveis", ainda não me vejo pronto para pleitear essas liberdades interessantíssimas! Um paradoxo, né? Sou imaturo! Também "imaturas" são as pessoas que me cercam!

    ---
    [corrigindo: faltou um "me" em lugar estratégico!]

    ResponderExcluir
  7. Misantropo, acho que uma hora nós devemos quebrar certas barreiras. Por que mais que seja dolorido enfiar a mão na parede de vidro que priva a gente do mundo!
    Escrevo muito sobre essa liberdade, mas com o intuito de me manter "lúcido" perante meu instinto dominador Hahaha'. Na prática as coisas são mais complicadas.

    Ana, tem muito mais! Ainda sinto que tem muita coisa sobre esse assunto - da liberdade a dois - entalado no meu peito. Mas vou escrever mais sobre!

    ResponderExcluir
  8. Quebrar barreiras é o meu destino, mas há muitas delas! Eu quebro tantas, porém, há, também, um momento, em que é preciso sossegar.

    Contudo, não prego o que faço, só o que desejo! Acho que estou em transição. Eternamente, mas estou!

    ResponderExcluir
  9. Epa! Vírgulas demais! Sabe quando você escreve uma coisa e, na correção, deixa sobrar ou faltar alguma coisa?

    ResponderExcluir