aviso

ironicamente neste espaço público existe o mais sórdido, o mais íntimo e o mais verdadeiro de mim e tudo quanto foi extraído

frequentemente usei palavras que não entendo, imitei escritores e escritas: forçadamente rebuscado ou forçadamente não-rebuscado

nunca encontrei verdade, mas ainda assim fui real: escrevi com a vontade dura e inegável do caroço do abacate

08/04/2013

Canto de Calçada


Existe um cantinho de calçada onde um cantinho-de-homem fica sentado todos os dias, sempre às três da tarde.
Pensei, a princípio, que era um morador de rua ou mendigo, mas ele nunca me pediu nada - tão orgulhoso eu, tão bicho-homem de assim pensar! Por que ele haveria de me pedir algo? Pedi até desculpas mentais da última vez que o vi.
Ele sempre "Opa", "Bom dia" e eu também "Opa.", "Bem o senhor?" e assim foi até que as máquinas chegaram e arrasaram com a calçada e derrubaram o quarteirão inteiro pra construir algo muito sólido que eu não sei o que é - e nem quero.
Passei do outro lado da rua ontem e olhei: sem cantinho de calçada, sem cantinho de homem nenhum que fala "Opa". Só as máquinas trrrrrrrr.
Meu grande desconhecido, meu confortável senhor foi-se com sua calçada virar escombro do mundo.

2 comentários: