aviso

ironicamente neste espaço público existe o mais sórdido, o mais íntimo e o mais verdadeiro de mim e tudo quanto foi extraído

frequentemente usei palavras que não entendo, imitei escritores e escritas: forçadamente rebuscado ou forçadamente não-rebuscado

nunca encontrei verdade, mas ainda assim fui real: escrevi com a vontade dura e inegável do caroço do abacate

18/01/2011

Milk-Shakes e Caras Sentimentais


(à Charles Bukowski)

Aqui na esquina eles vendem milk-shakes
com vodka

deve ser uma boa para caras assim,
meio sentimentais

Tomar um porre de Milk-shake
com a sua garota
deve ser algo muito digno, pois as velhinhas
do ponto de ônibus e da fila do banco
nunca iriam se importar
com um casal dançando na rua
na chuva
segurando Milk-shakes

e elas até
ficariam felizes.

Até o Bukowski
ficaria
feliz.

12 comentários:

  1. Até Bukowski ficaria feliz! Hehehehe... =)

    ResponderExcluir
  2. Sabe, eu fiquei com vontade de tomar um porre de milk-shake!! Porque toda vez em que eu paro para tomar uma cerveja, tem uma alma solta, desinteressada de seu próprio corpo fazendo um comentário infeliz sobre o meu silencioso corpo.
    Cidade pequena é assim.... Vc não sabe....

    ResponderExcluir
  3. você até que escreve bem, mas fala de coisas tão banais que bukowski teria vergonha de ter seu nome aí. é, vc até que escreve bem, mas escreve sobre essas coisas tão banais que é um talento desperdiçado...

    ResponderExcluir
  4. Banal mesmo é a falta de coragem das pessoas. Talvez meu comentário também seja banal, mas se o Amor é banal, a banalidade também é importante.

    ResponderExcluir
  5. o amo, não. o jeito que você fala dele, é.

    ResponderExcluir
  6. Sabe o foda, Anônimo? O amor é, em si, muito bobo.

    Eu sei disso na pele. Não tô falando em paixonites não; Eu falo de amor amor, sabe? Aquele que liberta invés de aprisionar, aquele que está presente em cada gesto, cada detalhe.
    Sinto que o amor é muito simples, tão simples que as pessoas se matam procurando e duvidando de algo que está ali, explícito.

    Talvez por isso que eu vivo escrevendo sobre Milk-shakes, sobre o jeito que ela arruma o cabelo quando cai no olho e como as pernas dela são tão, tão brancas e macias e acho espetacular a vermelhidão que a minha barba causa nessa pele.

    E por isso também que eu me pego com um sorriso extremamente idiota quando aquela música começa a tocar ou quando acho a presilha colorida de cabelo que ela perdeu no lençol da minha cama.

    Talvez por isso que minha visão de amor te pareça pequena e banal
    Talvez por isso que eu seja tão feliz; Que eu exponho toda a minha banalidade como se fosse uma obra prima
    Talvez por isso que você seja o Anônimo e eu o Felipe Celline.

    ResponderExcluir
  7. mesma coisa de sempre.
    você precisa é de uma experiência forte pra te ensinar a dar o melhor de si. vc pode fazer melhor, desse jeito aí, você pode até ser o felipe não sei o quê, mas ainda assim é só mais um. Bem, você quem sabe. se ser só mais um é a sua intenção, está se dando bem.

    ResponderExcluir
  8. "se ser só mais um é a sua intenção, está se dando bem."
    Essa frase não fica bem sendo usada por um Anônimo. Parece meio contraditória.

    "Ser só mais um" nesse mundo é a coisa mais relativa, Anônimo.

    Você, por exemplo, está sendo mais um pra mim e eu, pra você. Mas imagino que faça a diferença para algumas pessoas e eu também.

    Nossos olhares um sobre o outro são extremamente limitados.
    Mas entendi o ponto: Meus textos são banais. Respeito isso e acho que você até gostaria de uns textos mais antigos; se quiser se arriscar.

    ResponderExcluir
  9. não falo nada pra te ofender, falo porque acho que você escreve bem.
    bom, é isso.
    tchau e boa sorte.

    ResponderExcluir