aviso

ironicamente neste espaço público existe o mais sórdido, o mais íntimo e o mais verdadeiro de mim e tudo quanto foi extraído

frequentemente usei palavras que não entendo, imitei escritores e escritas: forçadamente rebuscado ou forçadamente não-rebuscado

nunca encontrei verdade, mas ainda assim fui real: escrevi com a vontade dura e inegável do caroço do abacate

27/09/2010

Blues Sem Saída

                                                   Fonte da Imagem: http://br.olhares.com/o_homem_de_chapeu_foto1899310.html

Talvez eu seja mesmo um Blues; Por isso as ruas tão sujas, as pessoas tão surreais e o café sempre mais frio do que o normal, rodando no copo, enquanto olho pela janela.
As horas sempre demoradas, os caminhos confortáveis sempre os mais escuros e aquele gingado incerto no andar.  Olhos meio cerrados numa noite sem guarda-chuva, pensamentos nublados; mãos no bolso.
Me falam nos rápidos esbarrões pela rua:

-Cara, você nunca dorme?

Mas mesmo que eu dormisse, mesmo que eu cantasse Be-Bop-A-Lula ou O Samba do Arnesto; ainda assim eu seria um Blues.
Um Blues sem saída.