aviso

ironicamente neste espaço público existe o mais sórdido, o mais íntimo e o mais verdadeiro de mim e tudo quanto foi extraído

frequentemente usei palavras que não entendo, imitei escritores e escritas: forçadamente rebuscado ou forçadamente não-rebuscado

nunca encontrei verdade, mas ainda assim fui real: escrevi com a vontade dura e inegável do caroço do abacate

29/08/2010

Gramática da Alma


Por que estes sorrisos velados e estas faces rosadas e estes cinismos cítricos e essa acidez sensual e estes desprezos estratégicos e estas aparições programadas se nem ao menos sabe se gosto de bacon ou não?
Ela só sabe que eu uso a conjunção aditiva “e” ao invés de vírgulas (em momentos nervosos) e que escrevo em fonte Arial tamanho 12. Minha alma não é Arial; não é tamanho doze; não tem conjunção aditiva; não tem “e”. Nem gramática a coitada da alma tem.
Ah, se tivesse! Pela Gramática da Alma esta mulher seria um erro de ortografia épico, um pleonasmo irritante, uma palavra de baixo calão ou, no máximo, um parêntese desnecessário. A alma –Que seria doutora letrada nas paragens da afeição– riscaria um “X” bem vermelho no meio de sua testa; Atestaria: Esta mulher não.
Não existe gramática para as nossas almas. Talvez por isso esta e tantas outras desconhecidas passem o resto da vida com homens sem-sal, se queixando para as amigas. Eu talvez continue sempre com essas pessoas mal conjugadas, como verbos sem concordância; almas dissonantes nas minhas frases tortas de afeição, de carinho gratuito.

5 comentários:

  1. "Eu talvez continue sempre com essas pessoas mal conjugadas, como verbos sem concordância"

    Muito bom Felipe !

    ResponderExcluir
  2. Ah, que você poeta em prosa rs...Eu gosto deste jogo de palavras. Ta amadurecendo tua literatura, moço

    ResponderExcluir
  3. Ah meus queridos Lodi e Anas, obrigado pelos comentários. Que bom que gostaram.
    Ana D, que bom que notou isso, você que me acompanha já a tanto tempo por aqui!

    Grande beijo a todos,
    Felipe C.

    ResponderExcluir
  4. Cara, tu és foda! Nossa! incrível!

    "Ela só sabe que eu uso a conjunção aditiva “e” ao invés de vírgulas (em momentos nervosos) e que escrevo em fonte Arial tamanho 12. Minha alma não é Arial; não é tamanho doze; não tem conjunção aditiva; não tem “e”. Nem gramática a coitada da alma tem."

    ResponderExcluir