aviso

ironicamente neste espaço público existe o mais sórdido, o mais íntimo e o mais verdadeiro de mim e tudo quanto foi extraído

frequentemente usei palavras que não entendo, imitei escritores e escritas: forçadamente rebuscado ou forçadamente não-rebuscado

nunca encontrei verdade, mas ainda assim fui real: escrevi com a vontade dura e inegável do caroço do abacate

04/05/2010

As Bolsas das Mulheres Nubladas


Ela descia a rua cinza e era tão cinza que até me parecia um blues; Toda nublada e com perfume Avec não-sei-o-quê.
-Ei! ei, que leva aí em bolsa tão grande, garota? Mundos inteiros? Mundos machucam, você sabe; Tem até os olhos marejados! Se você correr o salto te machuca o pé, sabes disso, menina!
E me responderia, talvez com um quase sorriso; talvez sem falar nada:
-Levo mil e poucas desculpas esfarrapadas e rasgadas de amor, batom, algumas dúzias de sorrisos indecifráveis e um pequeno bichinho de pelúcia gasto por lembranças.

Ah, claro! Será por isso que as mulheres usam bolsas tão grandes?

3 comentários:

  1. Muito bom!!!
    Principalmente essa frase aqui: "Levo mil e poucas desculpas esfarrapadas".
    Tentei responder teu scrap, mas o orkut não quis ajudar heehehhee
    Então, vim logo conhecer o blog.
    Abraços!!

    ResponderExcluir
  2. esse me provocou um certo quê de identificação.
    é sempre um prazer ler textos seus.

    ResponderExcluir
  3. realmente muito bom.

    suas postagens charmosas!
    haha

    ResponderExcluir