aviso

ironicamente neste espaço público existe o mais sórdido, o mais íntimo e o mais verdadeiro de mim e tudo quanto foi extraído

frequentemente usei palavras que não entendo, imitei escritores e escritas: forçadamente rebuscado ou forçadamente não-rebuscado

nunca encontrei verdade, mas ainda assim fui real: escrevi com a vontade dura e inegável do caroço do abacate

22/01/2018

Sou Chão de Plantar


Pelado na sua frente, mas dentro de roupas. Abro os ouvidos, dilato as narinas pra ouvir os detalhes mais bobos da sua vida. Você é qualquer pessoa. Toda e qualquer pessoa me basta e me cabe. Me adapto ao assunto, ao clima, visto os figurinos dos interlocutores para brincar de vida. 
Não me sinto falso, volúvel ou plástico! Sinto-me "possível". Extremamente possível, aberto, suspenso de certezas tão inúteis. Quero as pessoas inteiras. Arrancar frases que saem trêmulas e aliviam ombros, que dão vergonha e medo: que libertam. Ser o solo que permite o brotar de sementes alheias que estavam adormecidas.
Lamber a liberdade que sai da língua. O verbo é o poder, afinal de contas! Vamos inventar nossas narrativas, fazer do dia morto um realismo fantástico, vamos pichar as frases mais desconcertantes nas testas dos insensíveis e construir gozo do sórdido, do pó! Gritar a alma pra fora, nos confessar ao mundo todo.

Um comentário:

  1. pichar as palavras mais desconcertantes. serve tatuar " ladrão" na testa? kkk

    brinks.

    bom que vc escreveu seu borracha, se apaga não!

    ResponderExcluir