aviso

ironicamente neste espaço público existe o mais sórdido, o mais íntimo e o mais verdadeiro de mim e tudo quanto foi extraído

frequentemente usei palavras que não entendo, imitei escritores e escritas: forçadamente rebuscado ou forçadamente não-rebuscado

nunca encontrei verdade, mas ainda assim fui real: escrevi com a vontade dura e inegável do caroço do abacate

14/09/2011

Mulata Molambo


Ê mulata, olhar molambo, jambo a boca.
Cuidado, moço bem criado: Três passos são pra frente e sete passos são pra trás! Aliás, passa rasteira e ralha com que homem for, faceira que é; ela é mulher, ela é mulher!
É punhal de aço, açude de mel, taça de vidro, vida ao léu.
Cuidado, moço! Os tambores estão avisando:
“Arreda homem que aí vem mulher!”

5 comentários:

  1. Que belo! visitei por acaso...fiquei por querer! =)

    Me visite,ficarei feliz com tua presença pelo aluanaodorme.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  2. Poema bom de se ler. Parabéns, cativas com o que escreves.

    ResponderExcluir
  3. eu quero um harem cheio de mulheres riquezas

    ResponderExcluir
  4. Eu recebo Maria Molambo às vezes. Bem antes de saber o que era umbanda eu tinha sonhado com ela. Não sei trabalhar com ela ainda, não controlo o aparelho e morro de medo... Quando eu tinha 16 anos eu tentei entrar para um convento de clausura, então até hoje eu tenho uma rolha cristã enfiada no...kkk. deixa pra lá. Mulambo é linda. Eu falo palavrões, repara não! kkk

    ResponderExcluir